terça-feira, 18 de agosto de 2009

A Criança, o Bem e o Mal

Hoje, ao chegar na escola para buscar minha filha de 3 anos e meio, senti falta já de longe da sua expressão de alegria ao me ver.

Quando chegou, seus olhinhos já foram avermelhando. Me abraçou e caiu em choro... difícil foi conseguir que ela parasse de soluçar para me contar o que houve, pois o choro era legítimo, alguma coisa estava errada.

Foi quando ela me disse com muita dificuldade: “o Leandro disse que ia me matar...”

Duro para um pai ouvir isso, mas imaginei que era um mal entendido, e procurei a professora, que logo esclareceu que todos os amiguinhos estavam com uma estrela pintada no rosto, e que os meninos logo se identificaram com os Power Ranger, e que na brincadeira de faz de conta, sem maldade, o coleguinha disse isso para ela.

Sei que não podia fazer nada, e até cheguei a pensar na dificuldade dela de imaginar que uma pessoa pudesse fazer isso com outra, pois no conhecimento dela, mata-se porcos, boi, galinha... mas nunca uma pessoa, e o que dirá um amigo de escola!!

Refletindo sobre isso percebi que na seleção dos filmes ou programas que ela assiste na TV a cabo, não existe essa disputa do bem contra o mal como nos programas infantis da TV aberta. Ela assiste Cocoricó, Barney, Elmo, Pocoyo, Caillou, Backyardigans, tudo gravado em DVD. Minha filha nem sabe que a Xuxa existe, bem como aqueles programas infantis matutinos cuja essência é a luta do bem contra o mal.

Minha pergunta é: se podemos ensinar sobre o bem e sobre o mal, por que não ensinamos só o bem?!

A uma criança de 3 anos, é sábio permitir que conheça e pratique o mal, mesmo que seja no faz de conta?

Minha filha até hoje só conheceu o bem. É uma criança pacífica, companheira, criativa, compartilhadora e conciliadora, mas com apenas 3 aninhos será obrigada a tomar lições sobre o mal para não ser uma vítima da sociedade criada pelos “pais sem tempo”, cuja educação dos filhos se dá através da TV Globinho, do Bom Dia & Cia e outros programas infantis que eu nem conheço.

O mal que assola e cresce na humanidade é fruto dessa educação que prepara os filhos para uma batalha pela vida, pois o posicionamento social e não mais a sobrevivência, tornou-se uma necessidade e uma obsessão na vida dos adultos, a ser copiada pelos mais jovens. E quem paga por isso são as crianças, que serão autodidatas na formação de seus valores e caráter, agindo e pensando segundo o que aprenderam e assimilaram sozinhas na TV, esse câncer maligno que destrói e manipula a sociedade.
Aos pais ausentes, nunca é tarde o bastante para mudar a postura diante dos filhos...

4 comentários:

  1. Infelizmente os dois existem, tanto o bem quanto o mal. Aos poucos você e sua esposa vão introduzindo de forma sutil, isto é, responder até onde ela questionou sobre as duas forças que estão presentes no mundo e desde que o mundo existe. Enfim, parabéns pelo texto!
    Abraços
    Marta

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente o bem e o mal existem e ambos são de fácil acesso.

    É duro ter que lidar com esse tipo de assunto com uma criança, que é o ser mais puro e bondoso que existe, mas não tem outro jeito.

    Elas vão acabar lidando com isso dentro ou fora de casa...

    Ah sim, deixe eu me apresentar, meu nome é Leonardo Resende e sou dono do Rio Futebol. Passei aqui no seu blog e gostei muito. Por isso, gostaria de propor uma troca de links, o que você acha?

    Grande abraço,

    Leonardo Resende
    Rio Futebol
    http://riofutebol.blogspot.com
    adm.riofutebol@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Fala Nano.. Bonito texto.. a minha ainda chora pq os amiguinhos empurram ou mordem, ainda não tô nessa fase.. mas deve ser duro.. a minha tbm só assiste Discovery Kids e Cocoricó.. E alguns filmes da Pixar, como o Procurando nemo e Era do gelo.. ela adora o Sid.. e o Scat. Tentamos ser o mais presentes possíveis.. Mas é complexo demais.
    Ótimo texto.

    ResponderExcluir
  4. Nossa Adriano, ao ler esse post cheguei a ter arrepios!! Me fez lembrar uma das situações que a minha filha sofreu o Bullying. Ao cobrar explicações pelos maus tratos sofridos por ela, a Freira me respondeu, de modo muito tranquilo, que não era nada d+, pois as crianças estavam brincando de Power Rangers e o menino ( que batia em todos) era o monstro!! Não sei, honestamente, o que dizer à vc com relação a apresentação do Bem e do Mal aos nossos filhos. É o nosso dever protegê-los, e nos baseando no que consideramos saudável, escolher o melhor para eles assistirem, sim! Mas somos minoria, Adriano e, hoje, após ter passado pelo problema da minha filha, repenso alguns conceitos e me pergunto se essa é melhor maneira de educá-los, sabia? Sim, pq os nossos filhos se tornam reféns nas mãos das crianças que assistem à tudo e possuem essa visão nua e crua do mal. Pela sua essência, vejo um super Pai em vc, do tipo que preza a participação na vida dos filhos, assim como eu, de forma constante e saudável! Mas a melhor forma de educar, o mais certo a fazer.. é complexo demais!!

    Parabéns, mais 1 vez!! Seus posts são o máximo!!

    Abçs,
    Ellen Bianconi

    ResponderExcluir

Seu comentário com respeito e responsabilidade é sempre bem vindo!